Nº 2433 - Outubro de 2004
2433 - Outubro de 2004
IN MEMORIAM
O capitão de mar-e-guerra Virgílio de Carvalho faleceu em 31 de Agosto, após longa e bri-lhante carreira de serviço público dedicado ao seu muito amado Portugal.
 

Revista Militar
Editorial - Justiça Militar: uma reflexão
General
Gabriel Augusto do Espírito Santo
Dando execução a princípios estabelecidos na Constituição da República, foram recentemente extintos o Supremo Tribunal Militar e os Tribunais Militares. Por coincidência, ou acaso, a medida coincide com o final do Sistema de Conscrição para o Serviço Militar. Em tempos de tremendas dúvidas sobre o funcionamento da Justiça e de crise de alguns dos contratos sociais expressos na Lei Fundamental (família, trabalho, educação, saúde e segurança social), com que a Nação se defronta, julgamos dever e direito do exercício de Cidadania perguntar: Por quê agora? [...]
De Novo os Submarinos
Vice-almirante
Alexandre Daniel Cunha Reis Rodrigues
Comentário sobre algumas das opiniões expressas pelo General Martins Barrento no artigo publicado pela Revista Militar (Jun/Jul 2004) com o título “Ainda os Submarinos”.
 
As Operações Militares no Quadro das Novas Tecnologias. Conceito de Network Centric Warfare (NCW)
Tenente-general PilAv
António de Jesus Bispo
Sugere-se uma reflexão sobre o novo conceito de Network Centric Warfare, com base em alguma teoria americana publicamente conhecida, alinhando algumas repercussões especulativas decorrentes da sua hipotética implementação.
 
Enunciam-se algumas pistas sobre o possível impacte nas operações militares pelo facto de se imaginar um fluxo de informação que garanta o conhecimento sobre o inimigo, as nossas forças e o ambiente, em tempo real a todos os níveis de planeamento, conduta e execução.
 
Tecem-se algumas considerações sobre a materialização do conceito, tirando proveito do nível tecnológico actual.
Ciberterrorismo: Aspectos de Segurança
Coronel
Paulo Fernando Viegas Nunes
A globalização da economia mundial e a crescente interconectividade das infra-estruturas de informação dos Estados geraram uma nova fonte de vulnerabilidades.
 
Durante os últimos 40 anos, com o acelerado crescimento da utilização da Internet, temos vindo a assistir a uma alteração significativa tanto ao nível da natureza das ameaças como ao dos ataques maliciosos dirigidos contra os sistemas interligados em rede. Estes sistemas e as suas componentes estruturais (computadores, redes, programas e dados), integrando as infra-estruturas de informação dos Estados, construíram um mundo virtual a que atribuímos a designação de ciberespaço.
 
Os movimentos terroristas podem utilizar a Internet para comunicar e coordenar as suas acções, de forma a facilitar a condução das tradicionais formas de terrorismo, mas também podem utilizar o ciberespaço para atacar infra-estruturas críticas, vitais para a sobrevivência das “sociedades da era da informação”.
 
Dependendo da sua natureza e do nível estimado de disrupção social, a ocorrência de ataques de elevada intensidade contra as infra-estruturas críticas de um Estado, pode hoje configurar actos de ciberterrorismo. Este artigo analisa o conceito de ciberterrorismo, o seu potencial disruptivo e procura delinear uma abordagem possível para a minimização dos seus riscos.
 
Palavras-Chave:
Ciberespaço, terrorismo, ciberterrorismo, infra-estrutura de informação, ataque de informação, risco social, segurança da infra-estrutura nacional de informação.
A Visita a Portugal do General Ge Zhenfeng: Subsídios para uma primeira análise
Tenente-coronel
Manuel Alexandre Garrinhas Carriço
Em 16 de Julho de 2004 o General Ge Zhenfeng, “Vice-Chefe de Estado-Maior do Exército Popular de Libertação” da República Popular da China visitou Portugal, tendo sido recebido no Instituto de Altos Estudos Militares pelo Chefe de Estado Maior do Exército Português, o General Valença Pinto. No IAEM, após as honras protocolares e a apresentação de cumprimentos, assistiu a um briefing sobre a organização do Exército Português. A visita inseriu-se num renovado programa de intercâmbio militar entre Portugal e a República Popular da China iniciado aquando da visita a Pequim, em finais de 2003, do Ministro da Defesa Nacional, Dr Paulo Portas.
 
A notícia lançada na intranet do Exército possui uma incorrecção no que concerne tanto à data da visita - refere 16 de Abril - mas mais importante, quanto à designação correcta do cargo desempenhado pelo General Ge, uma vez que existem na estrutura organizacional do Exército Popular de Libertação assimetrias que não permitem efectuar um paralelismo automático de responsabilidades quer políticas quer militares relativamente à organização das forças armadas ocidentais (especialmente da NATO).
 
O objectivo deste artigo é contribuir para o esclarecimento destas assimetrias, mais notadas aquando de intercâmbios militares por razões de natureza protocolar.
Factualidade Histórica dos Séculos XIX e XX na aprendizagem e conceptualização da Guerra actual
Mestre
Paulo Frederico Ferreira Gonçalves
A complexidade dos conflitos actuais, deverão ser explicados à luz dos ensinamentos da História. Só esta permite apreciar com a devida perspectiva, a evolução dos acontecimentos, aferir as causas e consequências, deixando perceber eventuais quadraturas históricas que actualmente se enraízam, ainda, nos factos aparentemente longínquos dos finais do século XIX e primeira metade do século XX. O conceito de guerra total, o relacionamento de novas fórmulas de governação com estados de guerra ou paz tensa, as políticas de armamento e/ou desarmamento, as organizações internacionais e os conflitos com interesses específicos nacionais, são, nos dias de hoje, fruto de um processo complexo de evolução histórica que é, intrinsecamente, definidora da conceptualização geopolítica da actualidade e, simultaneamente, percepção das variantes provocadas pelas conjunturas.
Crónicas - Notícias do Mundo Militar
Coronel
Carlos Gomes Bessa
  • Reparos não conformistas sobre a unidade da Europa, noção nova para o Continente, por o seu passado ser muito diferente no que respeita à Europa do Ocidente e à Europa Central e Oriental, como grande influência de que não se pode abstrair para se enveredar por um futuro comum; mostrando-se a necessidade de não deixar de encarar a ambiguidade entre uma noção geográfica e uma vocação política para se alcançar essa desejável unidade que dependerá bem mais de um prudente e esclarecido projecto político e económico, do que do apelo a um passado que, como se verificará, nunca foi unitário;
  • Viragem da Administração Bush sobre o Iraque, mediante a reali­zação de uma conferência internacional sob os auspícios da ONU que, rejeitada há um ano, veio agora a ser proposta, e enunciação de alguns aspectos interessantes que com ela se relacionam, tais como a atitude da França no sentido do seu adiamento, visto ter tomado a iniciativa de propor antes iniciativa idêntica, e o relacionamento e eventual influência que dela pode advir para o resultado das eleições americanas.
Crónicas - Crónicas Militares Nacionais
Tenente-coronel
Miguel Silva Machado
  • Militar português comanda oficiais de ligação da ONU em Timor-Leste;
  • Novo Director do Instituto da Defesa Nacional;
  • Curso de Segurança e Defesa para Jornalistas 2004;
  • Últimos militares do Serviço Efectivo Normal passam à disponibili­dade;
  • Guarda Nacional Republicana integra nova força europeia;
  • Exercício “Contex/Phibex 2004”.
Crónicas - Crónica Bibliográfica
  • A Guerra das Gálias;
  • O Preto Deitado que não Estava.
Tenente-general
Adelino Rodrigues Coelho
Coronel
António de Oliveira Pena
Capa da Revista

Última revista publicada:

Nº 2605/2606 - Fevereiro/Março de 2019

Avatar image
Capa da Revista

Assinaturas anuais

REVISTA MILITAR @ 2019
by CMG Armando Dias Correia