Revistas a aguardar publicação on-line
2579 - Dezembro de 2016

Editorial

General José Luiz Pinto Ramalho*

 

Realizou-se, no passado dia 12 do mês de dezembro, a Assembleia Geral da Revista Militar, tendo como assuntos centrais: a sua situação editorial e financeira e a apresentação do programa de atividades para o próximo ano. Relativamente ao primeiro tema, mantém-se a dependência financeira dos montantes atribuídos, quer pelo Ministério da Defesa Nacional quer pelo EMGFA e os três ramos, assim como pelas assinaturas assumidas pela Guarda Nacional Republicana. No que toca à situação editorial, foi feito um esforço de sensibilização dos Sócios, no sentido de uma participação mais activa no que se refere ao envio de artigos para publicação.

Quanto ao programa de actividades a desenvolver, o mesmo enquadra-se, numa primeira linha, no realismo face aos recursos financeiros disponíveis e no empenhamento prioritário na publicação dos nove exemplares anuais. É também intenção da Direcção garantir a realização do tradicional Encontro, à semelhança do realizado este ano, procurando também alargar as parcerias que têm sido estabelecidas e encontrar um local que possa propiciar uma maior assistência e uma maior divulgação do evento e do tema tratado.

Está em estudo o Tema para o Encontro, tendo sido referido pelos participantes na Assembleia Geral que o mesmo deveria motivar a participação da sociedade civil e ter presente os desafios de uma sociedade moderna, cada vez mais comunicacional, em que a inovação marca a diferença e em que as Forças Armadas estão necessariamente presentes e, muitas vezes, têm sido motor e difusor dessa mesma inovação.

Durante o debate foi referida a necessidade de se completarem as vagas existentes no quantitativo dos Sócios efectivos estatutariamente definido, devendo ser cumprido o preceito, também estatutário, da colaboração prévia, através da publicação de artigos nas edições da Revista Militar.

A Direcção afirmou a sua disponibilidade para continuar a integrar projetos de investigação e estudo de temas, que aprofundem o conhecimento da História Militar e de personalidades relevantes do seu processo, assim como uma atitude atenta dos problemas das Forças Armadas, da evolução das doutrinas e dos desafios da conflitualidade moderna, em paralelo com a evolução da conjuntura estratégica internacional.

Temos sido também solicitados e manifestamos a disponibilidade da Revista Militar para facultar aos investigadores todo o nosso acervo bibliográfico, como aliás tem vindo a acontecer, e a recente digitalização de todos os números publicados, e a sua acessibilidade digital tem confirmado, pelos quantitativos de visitas verificados.

A Assembleia Geral congratulou-se e aprovou, um Voto de Felicitações ao Almirante Silva Ribeiro, Sócio efectivo da Revista Militar e membro da sua Direção, pela sua nomeação para Chefe do Estado-Maior da Armada e, também, igual voto ao Coronel de Artilharia Ribeiro Soares, igualmente Sócio efectivo, pelo seu trabalho de direção e coordenação da excelente obra já publicada pelo Exército, em diversos volumes, “Os Generais do Exército Português”.

Uma palavra final, para referir que estiveram presentes na Assembleia Geral, cerca de trinta por cento da totalidade dos Sócios, sendo desejável uma maior participação na vida associativa da nossa Revista, pois isso é indispensável à concretização dos objectivos estatutários.

 

* Presidente da Direção da Revista Militar.

 

-----<>-----

 

 

Resumo do Acervo Articular da Revista

 

 

1. Os Generais do Exército Português

  Coronel Alberto Ribeiro Soares

 

O lançamento do 3º Tomo do III Volume e do 1º Tomo do IV Volume da obra teve lugar no Destacamento da Amadora da Academia Militar, em 11 de outubro de 2016.

O projeto de investigação e desenvolvimento da obra teve início em 2000, na sequência do despacho nº. 172/CEME/00, de 30 de outubro de 2000, foi conferido à Biblioteca do Exército, e nele se definia o “interesse em produzir um trabalho em profundidade, do género ‘dicionário biográfico’ que (…) contenha curtas biografias (com fotografia) dos generais que prestaram serviço no Exército Português, incluindo estrangeiros e graduados, até ao final do Séc. XX”, desde o aparecimento do Regimento do Conselho de Guerra.

 

2. A Força de Gendarmerie Europeia – Uma década de participações em Operações de Gestão de Crises

  Coronel Jorge Manuel Gaspar Esteves

 

O presente artigo analisa o processo de criação, a estrutura e o desenvolvimento da Força de Gendarmerie Europeia.

Ao colocar à disposição da comunidade internacional um instrumento que tem como objetivo mitigar alguns dos constrangimentos relacionados com a projeção rápida de componentes policiais em operações de gestão de crises, particularmente em cenários destabilizados, as cinco forças de segurança de natureza militar fundadoras da Força de Gendarmerie Europeia procuraram contribuir para o esforço mais alargado da comunidade internacional em dar resposta aos problemas colocados pela complexificação da gestão de crises.

Uma década após a sua criação, a EGF projetou forças em cinco operações de gestão de crises, nas quais executou um leque de missões diversificadas, que vão desde a substituição ao reforço das policias locais, maioritariamente em ambientes hostis, e atuou sob cadeias de comando militar e civil. O sucesso que tem estado associado à sua participação em missões e operações de gestão de crises tem contribuído para a sua afirmação como um ator que proporciona à comunidade internacional um leque de capacidades consideradas críticas para gestão e resolução de crises.

 

3. Lisboa, Novembro de 1807: uma carta e as suas personagens

   Professor Eduardo Romano de Arantes e Oliveira

 

Partindo de uma carta que o autor recebeu de uma familiar, escrita por um oficial do Exército, em novembro de 1807, sobre o estado de espírito nos meios militares, imediatamente antes da chegada a Lisboa dos invasores franceses, sob o comando do general Junot, e a transferência da Corte para o Brasil, o autor traça o perfil biográfico dos destinatários dessa missiva, sob enquadramento histórico do capítulo XVI da História de Portugal (escrito pelo Prof. Lopes de Almeida).

 

4. O uso indevido de UAS no terrorismo e o Estado Islâmico

  Capitão Nuno Filipe Batista Imperial

 

No âmbito dos estudos elaborados sobre a Segurança Nacional, propõe-se uma abordagem qualitativa acerca da possibilidade de o autoproclamado Estado Islâmico fazer uso de meios tecnológicos, em particular os Unmanned Aircraft Systems, para perpetrar atentados terroristas.

Para o efeito, recorreu-se à doutrina de referência e a uma matriz de decisão, onde se demonstra a forte possibilidade de ocorrer um uso indevido destes meios pelos terroristas do autoproclamado Estado Islâmico.

 

5. O monopólio do uso legítimo da força e a privatização da segurança internacional: um estudo de caso do papel da Blackwater no Iraque

  Mestre Filipa Almeida Pestana

 

Este artigo examina o impacto do fenómeno da privatização da segurança, com enfoque no sector militar, procurando concluir da sua eficiência, do seu efeito sobre a opinião pública e da sua pertinência, enquanto abordagem liberal à política e às relações internacionais. A análise do estudo de caso do papel da Blackwater no Iraque procura ilustrar e adensar o debate em torno deste novo paradigma e compreender as suas implicações para a resolução de conflitos e a manutenção da paz internacional.

 

6. Elementos de informação constantes dos capítulos das crónicas:

  a) Crónicas Militares:

  • Balanço das Forças Armadas Portuguesas no apoio à Proteção Civil durante o ano de 2016
  • Chairman do Comité Militar da União Europeia em visita oficial às Forças Armadas Portuguesas
  • Reunião de Estados-Maiores Peninsulares – Lisboa, 15 a 17 de novembro de 2016
  • Visita do Departamento de Operações ONU ao Regimento de Comandos
  • Academia Militar reconhecida como Membro Honorário da Ordem dos Engenheiros
  • Um destacamento da Força Aérea partiu para o Mali ao serviço da ONU
  • Fragata Vasco da Gama na missão de segurança marítima no Mediterrâneo Central
  • Sistema comum para Avaliação do Mérito nas Forças Armadas Portuguesas
  • Iniciativa “Mar Aberto”
  • As Forças Armadas Portuguesas no Exercício de Ciberdefesa da OTAN
  • O Presidente da República presidiu à Abertura Solene do Ano Letivo na Academia da Força Aérea
  • O Presidente da República condecorou o CFMTFA e o RG3
  • Reunião do Conselho Superior de Defesa Nacional

  b) Crónicas Bibliográficas:

  • O Exército e o Azulejo. Tradição e Arte

   Prof. Doutora Alexandra Gago da Câmara

 

Avatar image
Capa da Revista

Assinaturas anuais

REVISTA MILITAR @ 2017
by CMG Armando Dias Correia