Nº 2449/2450 - Fevereiro/Março de 2006
2449/2450 - Fevereiro/Março de 2006
EDITORIAL - O Comandante Supremo das Forças Armadas
General
Gabriel Augusto do Espírito Santo

A Constituição Portuguesa, ao tratar da Organização do Poder Político (Parte III), diz, no seu Artigo 120º, que “O Presidente da República representa a República Portuguesa, garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas e é, por inerência, Comandante Supremo das Forças Armadas”. Ideia reforçada no Artigo 134º, quando na enumeração de Competência para a prática de actos próprios do Presidente da República se expressa “Exercer as funções de Comandante Supremo das Forças Armadas”.
Nota da Direcção: Doutoramento Coronel Oliveira Pena
General
Gabriel Augusto do Espírito Santo

No dia 23 de Janeiro de 2006 prestou Provas de Doutoramento no ramo Ciências da Comunicação, especialidade de Comunicação e Ciências Sociais, o Director-Gerente do Executivo da Direcção da Empresa da Revista Militar, Coronel Oliveira Pena.

Cidadania e Educação
General
António Eduardo Queiroz Martins Barrento
A evolução que está a acontecer em algumas referências da cidadania e a alteração das Instituições que as transmitem aos jovens, pelo que significam mudança, devem ser objecto de uma atenção cuidada.
 
A comunicação feita e o artigo agora apresentado transmitem, apenas, algumas reflexões sobre tão importante matéria. E ela é importante pelas implicações que tem no comportamento dos cidadãos, na coesão nacional e na segurança da unidade política.
 
Salto tecnológico? Certamente… Mas há mais para além do salto tecnológico. Há que recuperar e modernizar a formação da cidadania.
Uma Reflexão Sobre a Segurança nas Comunicações
Tenente-coronel
António José Caessa Alves do Sacramento
A segurança das comunicações constitui um dos ramos específicos da segurança protectiva. Enfrenta o mundo das informações, vulgarmente desig­nadas como “secretas”, tentando garantir a confidencialidade, integridade e disponibilidade da informação trocada nas comunicações e sistemas de informação. Para além da política e da cultura de segurança, qualquer estado terá de possuir e controlar as tecnologias necessárias à protecção da informação, seja ela de interesse político, militar, económico ou policial.
A Questão Cristóvam Colom e a sua Actualidade para Portugal
Tenente-coronel PilAv
João José Brandão Ferreira
O artigo tenta fazer um ponto de situação, não exaustivo, das principais teorias que se constituíram à volta do tema da nacionalidade e percurso de Cristóvão Colom, celebrado “descobridor” da América - quando, oficialmente, se dirigia à Índia - no ano em que se perfazem 500 anos da sua morte em Valadolide.
 
Estranha-se que os múltiplos enigmas históricos ligados a este grande vulto e que têm um especial interesse para Portugal, não sejam melhor investigados pela historiografia nacional e, até, da ostracização a que são votados aqueles que tentam aprofundar determinados assuntos, sobretudo quando não são coincidentes com a “verdade” oficial.
 
Esta “verdade” parece ser assumida, tacitamente e em resumo, tanto a nível político, como a nível académico, da seguinte forma:
 
A Itália fica com a honra de lhe ter servido de berço; a Espanha honra-se de o ter tido ao seu serviço; e aos portugueses cabe o mérito de lhe terem ensinado tudo (ou parte), do que ele sabia.
 
Neste equilíbrio, politicamente correcto, sai Portugal a perder (como quase sempre...), sem que quase ninguém se moleste muito com isso.
 
Aproveitando as importantes investigações em curso, relativamente à identificação do corpo de Colom e seus filhos, este artigo intenta alertar os portugueses para a importância do tema e relançar a polémica.
 
As Armas do Irão
Doutor
André Sopas de Mello Bandeira
O artigo aborda os pressupostos culturais do actual regime de Teerão quando este joga com a comunidade internacional, na mesa da proliferação nuclear. Embora deixando a questão do Programa nuclear para um outro, este artigo passa em revista o armamento convencional do Irão actual, avaliando as suas forças em Guerra assimétrica, nomeadamente a dos Pasdaran, no caso em que o Irão viesse a ser alvo de uma operação semelhante à do Iraque.
As Abordagens Empíricas de Análise das Relações entre “Civis e Militares”: O Caso da República Popular da China
Tenente-coronel
Manuel Alexandre Garrinhas Carriço
O presente artigo visa fornecer um enquadramento sumário sobre as abordagens empíricas Ocidentais relativas à análise das relações entre civis e militares em geral, efectuando uma pequena análise no que concerne à República Popular da China. Este é um pequeno trecho interpolado, resultante de um estudo mais alargado conduzido pelo autor.
Crónicas Militares Nacionais
Tenente-coronel
Miguel Silva Machado

 

  • GNR organiza exercício da EUROGENDFOR no Algarve.
  • “Merlin” da Força Aérea Portuguesa (FAP) iniciam actividade operacional.
  • Nova LPM será apresentada em Março de 2006.
  • Marinha e Força Aérea participam em operação da Polícia Judiciária.
  • Militares portugueses regressam do Paquistão.
  • Forças Armadas e de Segurança portuguesas combatem a imigração ilegal.
  • C-295 para substituir os C-212 “Aviocar”.
  •  “Transformação” do Exército aprovada em Conselho de Ministros.
  • Portugueses cépticos quanto a uma política de defesa comum.
  • Rotação de forças no exterior.
  • Armamento para as novas Viaturas Blindadas de Rodas.
  • Presidente da República despede-se das Forças Armadas.
 
Outros Assuntos de Actualidade

Revista Militar
  • Prémio “Almirante Teixeira da Mota” - 2006.
Crónicas Bibliográficas

 

  • Orgulho Imperial, Michael Scheuer - Edições Sílabo.
  • Manual de Estratégia Subversiva, Vo Nguyen Giap.
  • O Exército Português nos caminhos da PAZ - 1989-2005.
 
Coronel
António de Oliveira Pena
Coronel
Manuel Carlos Teixeira do Rio Carvalho
Capa da Revista

Última revista publicada:

Nº 2609/2610 - Junho/Julho de 2019

Avatar image
Capa da Revista

Assinaturas anuais

REVISTA MILITAR @ 2019
by CMG Armando Dias Correia