Nº 2436 - Janeiro de 2005
EDITORIAL - O que podemos esperar de 2005
General
Gabriel Augusto do Espírito Santo

Em 2005, um ano que começou com uma tragédia humanitária em alguns países do Sudeste Asiático, da Oceânia e da costa africana do Índico, devido a causas do universo que a ciência continua a esforçar se por conhecer, continuaremos a assistir aos efeitos de quatro revoluções provocadas pelo ser humano no planeta que habita. As revoluções da “Globalização”, da “Informação/Comunicação”, da “Crise do Estado” e da natureza dos “Novos Conflitos” que têm proliferado no globo.


Os efeitos da globalização estão a pôr em causa modelos económicos e sociais que pareciam adquiridos, a escala que ordenava o conceito de riqueza e pobreza das nações, o que diferenciava os que têm dos que não têm, os estilos de vida e a própria geoestratégia do poder.
O telemóvel e a rede global de comunicação permite a cada um estar mais próximo dos outros, para o bem e para o mal, o que leva alguns a pensar em novas fronteiras entre o dever e o direito de informar.
O Estado continua a desempenhar o seu papel de herói na resistência a quem o discute, a quem o limita ou a quem o quer apagar como símbolo da soberania das nações.

Novos conflitos nas suas estruturas e naturezas pedem novos conceitos de segurança e neo realistas e neo idealistas procuram, em novos modelos para a aplicação da força militar ou na concepção de novas escolásticas, soluções impostas, mas não consentidas.
Na ausência de políticas e autoridades globais capazes de respostas reguladoras eficazes, como o evidenciam a actual crise das Nações Unidas ou as hesitações de cooperação na União Europeia, começam a proliferar conceitos de Grandes Estratégias definidos por quem tem poder - recursos, influência e vontade - para tentar sobreviver aos novos desafios.

Portugal está a lidar com estes desafios num ciclo complexo da sua História, já que tem de enfrentar aquelas revoluções sem ter tido tempo de adaptar se internamente à perda de um Império que durou cinco séculos, a um regime constitucional condicionado por uma lei fundamental escrita sob o primado dos direitos, a uma tremenda alteração da sua estrutura demográfica (entre 1975 e 1977 a população portuguesa cresceu 10%, fenómeno único na Europa moderna) cujas consequências estão agora a verificar se e à sua opção pela Europa.

Todos teremos de unir esforços e tomar consciência de que é necessário definir uma Grande Estratégia para continuarmos o caminho de Nação. O exemplo das indefinições que têm caracterizado o nosso colectivo recente traduz se na observação do Presidente da República de “que nos esperam trabalhos difíceis”.

O diagnóstico está feito. Precisam se terapêuticas. Com realismo, observando o que se passa, não esperamos grandes soluções. E as indefinições na continuação da Nação, por teimosia de alguns e a passividade de muitos, levam nos a esperar de 2005 o continuar do caminho de apenas palavras para um ponto que se advinha sem retorno.

________________


* Sócio Efectivo da Revista Militar. Presidente da Direcção

Gerar artigo em pdf
2005-12-08
11-0
1057
60
Avatar image

General

Gabriel Augusto do Espírito Santo

Nasceu em Bragança em 8 de Outubro de 1935.

É General do Exército, na situação de Reforma desde o ano 2000, depois de ter servido nas Forças Armadas Portuguesas durante 49 anos.

Além de Tirocínios e Estágios na sua Arma de origem possui os Cursos da Escola do Exército (Artilharia), Curso Complementar de Estado-Maior e Curso Superior de Comando e Direcção (Instituto de Altos Estudos Militares), Curso de Comando e Estado-Maior (Brasil) e o Curso do Colégio de Defesa Nato (Roma).

Falecido em 17 de outubro de 2014.

REVISTA MILITAR @ 2019
by CMG Armando Dias Correia