Nº 2459 - Dezembro de 2006
Nota da Direcção: Doutoramento do General António Ramalho Eanes
General
Gabriel Augusto do Espírito Santo
Doutoramento do General António Ramalho Eanes,
Sócio Honorário da REVISTA MILITAR
 

 
No dia 15 de Novembro de 2006, o General António Ramalho Eanes, Sócio Honorário da Revista Militar, defendeu a sua tese de Doutoramento intitulada Sociedade Civil e poder político em Portugal, na Universidade de Navarra, perante um júri composto por: Manuel Braga da Cruz, Reitor e Professor Catedrático de Sociologia Política da Universidade Católica; Jorge Miranda, Presidente do Conselho Científico e Professor Catedrático de Ciências Jurídico-Políticas da Faculdade de Direito de Lisboa; Alejandro Llano, ex-Reitor da Universidade de Navarra e Professor Catedrático de Metafísica; Enrique Martín Lopéz, Professor Catedrático de Sociologia e Filosofia do Direito da Universidade Complutense de Madrid; e Agustín González Enciso, ex-Vice-reitor da Universidade de Navarra e Professor Catedrático de História Moderna Contemporânea.
 
A sua tese de Doutoramento, composta por 7 capítulos, reflecte sobre a interacção entre o poder político e a Sociedade Civil, desde a I República ao Estado Novo e, em especial, a institucionalização da Democracia, com a Revolução do 25 de Abril de 1974 e a reposição dos seus ideais no 25 de Novembro de 1975, até à primeira revisão constitucional de 1982. Reflectindo e analisando documentação do período em apreço, a que junta uma observação, experiência e interpretações pessoais vividas em dois mandatos sucessivos como o primeiro Presidente da República português eleito por sufrágio universal directo (14.7.1976 a 9.3.1986), retira conclusões sobre as causas históricas, políticas e sociais que, durante a fase de transição para a democracia e mesmo durante a sua consolidação, são responsáveis por tão pouco se ter investido e inovado para estimular e dar força ao poder de iniciativa da Sociedade Civil.
 
Iniciando com uma breve teorização sobre o conceito de Sociedade Civil (Capítulo 1), a sua análise e reflexão debruça-se, sucessivamente, sobre a interacção entre Sociedade Civil e poder no período anterior à Revolução de Abril (Capítulo 2), o papel secundário que foi atribuído à necessidade de formação de uma cultura política e cívica, indispensável ao jogo democrático, entre 25 de Abril de 1974 e 25 de Novembro de 1975, num período crucial para o País quando se procurava a definição do regime político e consequente sistema de governo (Capítulo 3), concluindo esta sua primeira análise com uma constatação (Capítulo 4): apesar dos apelos de alguns teorizadores da vida política, social e cultural portuguesa, as elites políticas e militares continuaram a orientar e a controlar a participação política, não tendo chegado a repensar a Sociedade Civil e o Estado, em termos modernos, de mútua, sistemática e dinâmica interacção.
 
Passando a analisar o sistema de governo instituído pela Constituição de 1976, puramente representativo e sem grande contribuição para a instauração de uma verdadeira Sociedade Civil (Capítulo 5), passa em revisão os executivos governamentais, do I ao VIII Governos, historiando as suas géneses e actuações (Capítulo 6) e termina (Capítulo 7), com a chamada de atenção para o facto de que, para ultrapassar a situação de crise, indispensável é um Estado forte, capaz de se comprometer na realização dos seus fins próprios e bem desempenhar as suas funções conducentes a atingi-lo, com seriedade, coragem e eficácia, em diálogo comprometido e comprometedor com uma Sociedade Civil desperta politicamente, que exija completa informação e esclarecimento. “Só com esta difícil, mas imperativa conjugação, a política, de pensamento e acção pode ser novamente uma aventura em que o Povo sinta vontade de participar”.
 
É com este apelo à participação cívica, sobretudo dos mais jovens “que já nasceram em democracia, e que à democracia devem garantir a preservação, através do lúcido e empenhado crescimento”, que o General Ramalho Eanes termina um extenso trabalho, que dedica aos portugueses e a Portugal, a quem deseja “um futuro de feliz e responsável liberdade, de realizante cidadania”.
 
A Revista Militar, nascida e mantida há mais de 150 anos como exemplo da iniciativa de cidadãos-militares inseridos numa Sociedade Civil que ainda hoje mantém as fragilidades então reconhecidas, aplaude o trabalho e o pensamento profundo, oportuno, patriótico e de cidadania activa que o General Ramalho Eanes deixa à Nação. Ficará, a par da sua acção, como legado à Pátria e constituirá um texto de referência para quem estudar a sociedade portu­guesa no século XX, com especial incidência no seu último quartel.
 
Com elevada admiração e aquele sentimento de camaradagem de armas que aprendemos a cultivar desde muito jovens, cumprimentamos o nosso Sócio Honorário General Ramalho Eanes e sua Família, felicitando-o por esta distinção recebida do mundo académico.
Gabriel Augusto do Espírito Santo
Presidente da Direcção da Revista Militar
 
_____________
 
Fotografia base da direita de Rui Ochôa.
Gerar artigo em pdf
2007-02-18
0-0
4182
52
Avatar image

General

Gabriel Augusto do Espírito Santo

Nasceu em Bragança em 8 de Outubro de 1935.

É General do Exército, na situação de Reforma desde o ano 2000, depois de ter servido nas Forças Armadas Portuguesas durante 49 anos.

Além de Tirocínios e Estágios na sua Arma de origem possui os Cursos da Escola do Exército (Artilharia), Curso Complementar de Estado-Maior e Curso Superior de Comando e Direcção (Instituto de Altos Estudos Militares), Curso de Comando e Estado-Maior (Brasil) e o Curso do Colégio de Defesa Nato (Roma).

Falecido em 17 de outubro de 2014.

REVISTA MILITAR @ 2018
by CMG Armando Dias Correia