Nº 2479/2480 - Agosto/Setembro 2008
EDITORIAL - Os Combatentes
General
Gabriel Augusto do Espírito Santo

Este número da Revista Militar contém as intervenções feitas durante a conferência que se realizou, no dia 9 de Junho, na fundação Gulbenkian, promovida pela Comissão Executiva do XV Encontro Nacional de Comba­tentes, a que se associaram a nossa Empresa e a Associação dos Antigos Auditores dos Cursos da Defesa Nacional.

Os encontros, que se têm realizado regularmente coincidindo com o dia 10 de Junho, o Dia de Portugal, com conhecimento da Liga dos Combatentes mas promovendo-os ao lado das suas actividades institucionais, procuram reunir antigos combatentes no espírito que os uniu e unem na defesa de Portugal. Lembrando os que caíram no cumprimento do Dever a que foram chamados, cimentando os laços de camaradagem que se materializaram no princípio de não deixar nenhum para trás, procurando perceber Portugal e os portugueses, na sua identidade, nos seus anseios e no caminho que a Nação quer percorrer.

Algumas incertezas se colocam sobre o futuro, num mundo que está a percorrer um caminho de nova e diferente globalização, de conflitos nascendo por razões variadas e tomando formas que parecem conduzir a insurreições generalizadas, no receio que o génio solte o nuclear e os seus horrores imprevisíveis. Mundo dominado por emoções onde o medo parece estar a generalizar-se.

Os combatentes procuram conhecer este mundo e a sua Nação. Não pondo em dúvida porque combateram na defesa de princípios e valores, transmitidos por gerações a que sucederam, veiculados por família, escola, convivência e Instituição Militar. Mas tentando perceber se esses valores continuam, se a vontade de defesa não desapareceu, se as actuais gerações acreditam no que eles acreditaram.

Dizem que a Nação atravessa uma crise, como outras que atravessou na sua longa História. Não é um a crise, como as outras, em que se adivinhe uma necessidade de combater. Mas será um tempo em que se exige a vontade de todos, o espírito de não deixar ninguém para trás, a solidariedade do combatente, o sentido de Pátria, indo buscar valores da Nação que nos deram identidade e sentido de um destino comum, e para todos.

Com o intuito de detectar as vulnerabilidades que nos afectam como Nação, as intervenções dos convidados a participarem neste Encontro trazem-nos importantes diagnósticos, que reconhecidamente agradecemos e que nos podem apontar caminhos.

Portugal, que materializa a ideia e o orgulho de ser português, precisa de uma Grande Estratégia para enfrentar as vagas tumultuosas de um mundo instável e de alguma crise de valores. Grande Estratégia que terá de passar, como sempre, por estratégias particulares de afirmação num mundo hostil, de consolidação económica que se traduza em bem-estar comum e repartido por todos os portugueses, de uma segurança que previna conflitos violentos, de uma postura de defesa que assegure capacidades para defender, se neces­sário. Grande Estratégia que não esqueça os valores da nossa cultura, não os subordinando a alguns que pela sua universalidade estarão mais na moda. Grande Estratégia que vai exigir, de todos, o espírito de combatentes. Nós, combatentes, na nossa humildade e esquecimento permaneceremos atentos.

_____________

* Sócio Efectivo da Revista Militar, Presidente da Direcção.

Gerar artigo em pdf
2009-01-16
899-0
1682
15
Avatar image

General

Gabriel Augusto do Espírito Santo

Nasceu em Bragança em 8 de Outubro de 1935.

É General do Exército, na situação de Reforma desde o ano 2000, depois de ter servido nas Forças Armadas Portuguesas durante 49 anos.

Além de Tirocínios e Estágios na sua Arma de origem possui os Cursos da Escola do Exército (Artilharia), Curso Complementar de Estado-Maior e Curso Superior de Comando e Direcção (Instituto de Altos Estudos Militares), Curso de Comando e Estado-Maior (Brasil) e o Curso do Colégio de Defesa Nato (Roma).

Falecido em 17 de outubro de 2014.

REVISTA MILITAR @ 2019
by CMG Armando Dias Correia